Pinewells

Mais Energia, Naturalmente

Pinewells

Notícias



Projecto n.º 39522

Apoio no âmbito do sistema de incentivos

Pellet EcoDry Plus

Custo total elegível: 7.745.200 €
Apoio financeiro EU: 3.872.600 €
Apoio financeiro público nacional: 0 €

Síntese do projeto
O projeto que a Pinewells aqui apresenta enquadra-se nos objetivos e prioridades do Aviso 26/SI/2017, com a tipologia "Aumento da capacidade de um estabelecimento já existente", promovendo o recurso à introdução de inovação, resultando no fabrico de produtos novos e significativamente melhorados, de maior valor acrescentado, para serem transacionados internacionalmente. De igual modo, e em resposta ao presente aviso prevê a criação de 5 novos postos de trabalho, imprescindíveis ao bom funcionamento da sua atividade, que aqui se estima em crescimento, com uma maior capacidade produtiva que permita dar resposta à elevada procura que se lhe tem apresentado.
Para tal, irá recorrer a tecnologias avançadas e sustentáveis, que lhe permitam reter as características técnicas das matérias-primas, com vista a um produto de qualidade superior, bem como, flexibilizar a produção para maiores quantidades, tendo em conta uma redução dos custos de fabrico, para alcançar melhores margens.
«A Expobiomasa é a montra de um setor estratégico que evolui e cresce com muito bom ritmo em Espanha. A feira, profissional, internacional e especializada em tecnologia da biomassa líder na Europa tornou-se, com o passar dos anos, na referência profissional do setor também para a Ibero-América», refere o diretor da Expobiomasa, Jorge Herrero. 


Projecto n.º 7034

Apoio no âmbito do sistema de incentivos

Chip Cleaning Process

Custo total elegível: 504.116 €
Apoio financeiro EU: 277.263,8 €
Apoio financeiro público nacional: 0 €

Síntese do projeto
A Pinewells vem com a presente candidatura apresentar um projecto de investimento denominado de Chip Cleaning Process (CCP) que se enquadra na tipologia de inovação de processo, ou seja, a implementação de um novo e significativamente melhorado processo de produção de bens. O projecto é essencialmente uma alteração inovadora no processo de fabrico, com a inserção de mais uma secção intermédia, que permite descontaminar a matéria-prima e reduzir os altos valores de cinzas que podem influenciar a qualidade do produto final reduzindo os custos de fabrico, não só via inclusão de matéria-prima até aqui negligenciada por ter demasiadas impurezas mas também via diminuição de tempos de paragem e mais horas de vida útil do equipamento já existente, tornando a empresa mais rentável.
O exercício, designado por “Moliceiro 2015”, foi programado pelo Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro com o objectivo de testar a operacionalidade dos meios de socorro e emergência fase à ocorrência de uma situação real nas instalações portuárias, localizadas junto à cidade da Gafanha da Nazaré.

Além do treino operacional, o simulacro pretendeu exercitar o planeamento e a condução de um exercício de âmbito distrital; proceder à recolha da informação relevante tendente ao planeamento e conduta de uma acção em caso de incêndio real em instalações industriais no terminal sul do Porto de Aveiro e exercitar todos os meios de protecção e socorro em trabalho conjunto, entre outros pontos pré-definidos de carácter operacional.

O simulacro ocorreu no dia 7 de Fevereiro, às 10 da manhã. O alerta dava conta de um foco de incêndio, seguindo de explosão, sublinhando ainda a existência de um “ferido em estado grave”.

A primeira intervenção ocorreu com uma equipa de protecção da empresa Socarpor, concessionária daquele terminal, que às 10:05 começou o combate “às chamas” com apoio de uma viatura cisterna. Oito minutos após terem sido alertados, chegaram ao teatro de operações os primeiros bombeiros, iniciando de imediato o combate ao “fogo” e prestando auxilio ao suposto ferido grave.

O “incêndio” foi dado como extinto pelas 11:30, tendo todo o exercício sido finalizado às 12:00.

O “Moliceiro 2015” envolveu um total de 4 corporações de bombeiros, com nove viaturas e 33 operacionais, tendo ficado de reserva outras 5 corporações.

Estiveram ainda envolvidos elementos da Socarpor, PSP, INEM, Polícia Marítima, Autoridade Nacional de Protecção Civil, Administração do Porto de Aveiro e da Câmara Municipal de Aveiro.

O balanço a este simulacro foi considerado como positivo por parte do Comando Distrital de Operações de Socorro do Distrito de Aveiro. 
Outro dos trabalhos em que a Edivisa está envolvida diz respeito à adaptação do Centro Logístico dos CTT em Cabo Ruivo, Lisboa, cujas obras já tiveram início.
Esta empreitada visa criar condições para ser alojado o Projecto Polaris (sistema de emissão e expedição de facturas), e envolve a realização de trabalhos de construção civil, electricidade e ar condicionado.
A intervenção total é feita numa área superior a 4 mil metros quadrados.

No Palácio do Gelo Shopping, a Edivisa construiu, recentemente, o Gabinete de Estudos Clínicos e a loja da Cortefiel, inaugurada em Dezembro passado. 
Nesse sentido está a concluir a construção de um novo armazém de produto acabado.
Com uma área coberta de 4.500 m2, a infra-estrutura tem um investimento superior a 1,4 M euros, cuja conclusão da obra está prevista para o final do corrente mês.

Para além da capacidade de armazenagem com que a Pinewells fica dotada, o novo armazém funcionará como plataforma logística que permitirá aumentar de forma significativa a velocidade de carga de camiões com melhorias inegáveis no serviço prestado aos clientes.

Entretanto, a empresa esteve uma vez mais presente na Expobioenergia, certame que decorreu entre 21 e 23 de Outubro em Valladolid, Espanha, o que aconteceu pelo terceiro ano consecutivo.

Esta feira que é considerada a maior do sector realizada na Península Ibérica sendo, igualmente, uma das principais a nível europeu, atraiu a presença de muitos profissionais da área, para além do público consumidor.

Sendo uma das empresas de referência a nível europeu, a Pinewells recebeu no seu stand a visita de inúmeros clientes e fornecedores, tendo sido um dos locais mais concorridos da feira, onde foi possível estabelecer novos contactos, promover a empresa, os produtos comercializados, bem como a globalidade do Grupo Visabeira e divulgar os mercados onde actua. 
Em 2013 a empresa viu aumentar a facturação em 30% face a 2012, a que correspondem 16,7 Milhões de euros.
Recorde-se que recentemente a Pinewells também aumentou a sua capacidade de produção de pellets com a instalação de uma 5ª prensa o que permite colocar no mercado mais produto.

Aliás, 85% do que é produzido na unidade localizada em Arganil destina-se à exportação, nomeadamente para a Dinamarca, Espanha, Inglaterra e Itália. França e Alemanha são mercados prioritários para o corrente ano, se bem que para o mercado interno a Pinewells prevê crescimento com a duplicação das vendas. Ou seja, de 15 mil para 30 mil toneladas.

Com eficiência energética e ecológica, a utilização de pellets permite uma poupança na ordem dos 50% face aos combustíveis fósseis, sendo, por isso, expectável o aumento do seu consumo nos próximos anos no País e no estrangeiro. 
Considerada a maior feira da especialidade realizada na Península Ibérica, e uma das principais no contexto europeu, a Expobioenergia registou uma elevada participação de público, com destaque para os profissionais do sector.
Sendo uma das empresas de referência a nível europeu, a Pinewells recebeu no seu stand a visita de inúmeros clientes e fornecedores, tendo sido um dos locais mais concorridos da feira, onde foi possível estabelecer novos contactos, promover a empresa, os produtos comercializados, bem como a globalidade do Grupo Visabeira e divulgar os mercados onde actua.
Tendo em conta a situação actual do mercado, caracterizada por uma procura forte, e o facto da presente campanha de Inverno já se ter iniciado, as conversas com os vários parceiros centraram-se nas perspectivas para a campanha 2014-2015. É previsível para os próximos anos um crescimento continuado do mercado dos pelllets, facto que levará a uma cada vez maior necessidade de se estabelecerem, entre fabricantes e distribuidores, parcerias de médio e longo prazo, visando a garantia dos fornecimentos. 
Os pellets, produzidos a partir de resíduos florestais, são um biocombustível que, sem causar impacto ambiental, promovem a redução das emissões de CO2 e apoiam a gestão florestal.

O produto comercializado tem 6mm de diâmetro e está de acordo com a nova norma EN Plus podendo ser encontrado na maior parte das grandes superfícies comerciais, empresas instaladoras de sistemas de aquecimento, lojas da especialidade e alguns armazenistas, de norte a sul do país.
Rui Barreiro deslocou-se a Arganil onde a Pinewells produz pellets, um combustível destinado a centrais térmicas, que sendo renovável, tem vantagens acrescidas.

Para o membro do governo a produção de pellets é vista como uma forma importante de desenvolvimento da fileira florestal uma vez que está a contribuir, inclusivamente, para o aumento das exportações, mas igualmente para aproveitamento da matéria-prima residual industrial.

Durante a visita às instalações, Rui Barreiro enalteceu ainda o facto de a Pinewells ter nos seus quadros muitos técnicos com qualificação superior, o que contribui para acrescentar valor aquela região e ao país. 
Esta instalação, a qual é constituída por dois silos, com uma capacidade máxima de armazenagem de 5500 Toneladas, e de um conjunto de alimentadores e tapetes transportadores que permitem uma velocidade de carga superior a 400 Toneladas por hora, destina-se, exclusivamente, à carga a granel de navios com capacidade até 4000 Toneladas, destinados a exportação para os principais mercados europeus. 

Mapa

Pinewells logo

Zona Industrial de Relvinha, Sarzedo
3300 - 416 Sarzedo AGN - Portugal